Pelos olhos dos outros...

Saturday, February 8, 2020

Apesar de a nossa capital ser grande e ter muitas pessoas, amiúde vejo nos meus caminhos caras conhecidas e gente amiga... os que como eu rolam ou nos cruzamos e acenamos ou apenas um mero cumprimento, ou às vezes acompanhamos por algumas centenas de metros em amena cavaqueira.

Como agora atravesso a cidade quase de uma ponta à outra (cada viagem são cerca de 19kms e picos, ida e volta são quase 40kms/dia) vejo muitas vezes a rolar o LCarvalho, o EduardoS, o MiguelC, o MiguelB, o RLeiria e o JLeiria, o PedroG e a Maria, o ArturL, RuiA, o HugoM e o HerculanoR, o RuiR, o JoãoB, e ex colegas de trabalho como o PauloS, ManuelC e a VerónicaF e tantos tantos outros...

Há dias um desses mega licrados de bicicleta (como eu tb sou às vezes quando vou dar umas voltas na estradeira) começa a chamar-me quando vinha na ciclovia a caminho de casa, e eu não estava a ver quem era... os anos passam! Era um ex-colega de liceu que até está na minha rede do facebook e reconheceu a Gestrudes. Foi um bom reencontro!

Outra vez passei ali noutra ciclovia e passavam muitos peões e há um que grita "Woowww, tu, heeiii..." e não liguei pois pensava que não era para mim. Mas depois gritou o meu nome... Era um grande amigo da altura da faculdade!! Também reconheceu a Gestrudes! :)

Mas desde que tenho a Gestrudes, que é vistosa, muito mais gente amiga que anda de carro ou de transportes também me vê...




Um deles goza comigo "Hoje vi outra vez o autocarro azul a passar por mim!" ou então...


Mas dos mais hilariantes foi este audio que recebi e ouvi só quando cheguei a casa, num dia que o trânsito estava caótico e as filas de carros eram intermináveis e recordo ter ouvido uma buzinadela no sentido contrário ao meu, mas eu ia "depressa" (a 20 kms/h praí) e não vi que era.

Clicar para ouvir: "Ca ganda vergonha pá!"

O que eu me ri com isto... ! :)

Mais conforto na Tern GSD : espigão de selim com amortecedor

Sunday, January 19, 2020

Uma das desvantagens da Tern GSD, uma das poucas, é a falta de qualquer tipo de suspensão/amortecimento.

Apesar dos seus pneus largos que absorvem muito das vibrações, qualquer pequeno buraco ou desnível levam a um desconforto quer nos braços pela vibração do guiador quer do espigão do selim que propaga esses choques para a espinha dorsal.

Se fosse tudo ciclovia ou se fosse tudo alcatrão lisinho não tinha problemas, mas os nossos pisos não são assim tão confortáveis.

Podemos reduzir esse desconforto pelo nível de ar nos pneus, que vão desde os 2 aos 4,5 bars. Mas pneus mais vazios rolam mais lento em qualquer piso e mais cheios apesar de acelerar a viagem ficam mais duros e recebem mais das vibrações que se propagam pelo quadro e pelo ciclista.

"Inflate to the upper limit for a faster ride. And to the lower limit for a smoother ride."
https://www.ternbicycles.com/support/techtips/pump-it

Assim que andei a indagar e um dos meus parceiros destas aventuras do uso da bicicleta, o António P, já me tinha falado de uma solução que arranjou para a bicicleta dele.

Um espigão de selim com suspensão! 
Que coisa moderna...


Com uma opinião tão positiva e depois de ver alguns videos e outras opiniões em blogs e site, resolvi comprar a ver se ajudava nestes meus quase 40 kms diários.

Decidido então mandei vir aqui deste site:
https://www.bike-discount.de/en/search?q=suntour+seatpost

Montar é extremamente simples, bastou tirar o espigão original e substituir pelo novo, ajustar a inclinação e voilá! (só tive de pedir a chave dinamométrica ao meu vizinho Paulo que é um engenhocas e tem essas cenas todas... provavelmente não era preciso mas não queria estar a estragar)







Até vem com uma capinha para proteger, mas é mais para quem usa no BTT e cenas sem guarda-lamas.


Apesar de funcionar os suportes do selim ficam mesmo colados à "cabeça da suspensão" do novo espigão, e parece-me que vai acontecer o que este moço reporta neste outro blog Tour On A Bike e não Touro Na Bike :)
https://www.touronabike.com/sr-suntour-sp12-ncx-suspension-seat-post-review/


Estou desconfiado que vai desgastar dado o contato com os suportes do selim, por estarem tão perto ao fazer o amortecimento parece-me que vai roçar bastante. Se fizerem zoom à imagem la´mais em cima verão que já está a desgastar :( A ver se ajusto ao máximo que possa para tentar não roçar tanto.


Ver aqui estes videos de como isto funciona:



Para já a experiência tem sido muito positiva! Obviamente que as vibrações no guiador continuam a sentir-se mas na coluna há uma melhoria significativa.

Com o tempo darei uma opinião mais fundamentada, mas até ver parece-me um excelente upgrade! O primeiro que fiz na Gestrudes - exceptuando o descanso central que foi uma peça oferta da marca a substituir a de origem que admitiram não ser de boa qualidade, pelo feedback dos seus clientes e pelo uso do modelo que tem apenas dois anos e pouco no mercado.

Mas dizia... até ver foi uma excelente decisão e compra!
As minhas costas e o eu do futuro agradecem estes cuidados com a saúde :)

A Gestrudes é a eBike do Ano

Wednesday, January 15, 2020



«The Tern GSD is our cargo e-bike of the year, and also our overall winner. We’ve tested the GSD in two builds over the last two years, and one abiding feeling remains: this is the most useful and practical bike you’re ever likely to own.

The GSD is built around a long-tail frame and 20-inch wheels. The long-tail design means there’s masses of room at the back – enough for a weekly shop or two passengers – while the small wheels mean that the overall footprint of the bike is no bigger than a standard city bike. Even better than that, the GSD flips up on its end and the saddle and handlebars fold down, so it takes up barely any space at all. The ride position is highly adjustable, so anyone in the family can use it with just a few quick tweaks.

It’s easy and fun to ride – there’s no learning curve like you get with a box bike – and it’s a rare day you come across a situation or a load that the GSD won’t take in its stride. With loads of different options for carrying cargo, children and grown-ups, you can configure it exactly how you need it and it can grow with you as your family grows. 

It’s a genuine car replacement, and perfect for city living. The more expensive S00 build we tested this year is great if you’re looking for a heavy-duty workhorse, but the S10 is enough bike for nearly any situation and a grand cheaper, so that’s still our favourite one and the only bike so far to have got a full five stars.

Why it wins: It’s the most useful and practical bike you’ll ever own. Every home should have one!»

https://ebiketips.road.cc/content/news/ebiketips-e-bike-of-the-year-awards-201920-2259


Vale o que vale pois cada um avalia as coisas conforme as suas necessidades, mas fico feliz por saber que a minha escolha foi a escolha certa, aos olhos de outros que têm outros fatores em consideração e comparando com outras eBikes.

Continuo mega satisfeito com a aquisição! So far, so good!

A minha ex anda por aí...

Tuesday, January 7, 2020

Esta semana um amigo das lides do uso da bicicleta mandou-me umas fotos da minha antiga bicicleta pedalec, a Romana.

Como estão lembrados dei a Romana à troca quando comprei a Gestrudes, e não estou nada arrependido... o Miguel da BeElectric já me tinha dito que já tinha vendido a Romana a um moço algures de Lisboa.



O dono atual até manteve o spoke card do Sexta de Bicicleta! Nível :)

...confesso que bateu uma nostalgia ao ver as fotos da minha ex-companheira.

O importante é que vai fazer feliz mais um sortudo que se desloca na cidade de modo ativo, sem poluir, sem fazer ruído e potenciando uma convivência melhor com os demais habitantes da cidade.

E para a Romana não vai nada, nada, nada? Ip, ip, urááiii!
Quem viva?! Viva a Romana!!

A publicidade que nos mata, sem sabermos...

Hoje apanhei um apressado que me apitou e gesticulou pq queria que eu saísse da frente para o senhor acelerar no meio da cidade para chegar primeiro ao próximo semáforo vermelho.

Devia querer que eu me esfumasse ou que eu saltasse como o Kit do Mikel Knight por cima dos carros parados na fila para virar á direita ao invés de ocupar a fila de trânsito que fluia no sentido que eu pretendia.

Esta cultura é algo enraizado e que vai demorar anos, gerações, a mudar. 

E que vejo eu a caminho do trabalho? Publicidade de uma marca automóvel a fazer alusões subtis à velocidade, à competição, aos rallies e corridas diárias...



Mas não há quem tenha noção e acabe com este tipo de publicidade?

.
.
.

Publicado originalmente no grupo de Facebook de Ciclismo Urbano onde podem ler alguns comentários interessantes, e outros nem tanto...

Dicas para quem vai fazer um dia a Estrada Nacional 2

Saturday, November 23, 2019

Após já muitas semanas, e antes que a memória comece a desvanecer, seguem algumas dicas da recente experiência para ajudar quem um dia queira fazer a aventura da EN2 de bicicleta.


1. Sozinho ou em grupo?

Na minha opinião fazer a EN2 sozinho não será uma experiência agradável, a não ser que se queira fazer numa de isolamento e introspecção pessoal.

A par já será interessante para ter uma companhia, repartir os custos e até partilhar a experiência no seu todo.

Nós fizémos num grupinho de 3 e acho que foi o ideal, pois acaba por ser uma boa convivência social de apoio, confraternização e até a repartição de custos é mais simples.

Se calhar mais que 3 já seria logisticamente mais complicado gerir ritmos, vontades e alojamento... a não ser que houvesse um grande alinhamento prévio nesse grupo.

2. Duração

Cada pessoa ou grupo terá o seu ritmo, que dependerá muito da forma física e calendário disponível, pelo que o meu conselho é baseado na experiência recente desta nossa viagem.

Nós fizémos em 6 dias a rolar, mas dado que para chegar ao ponto de partida em Chaves tivémos de tirar outro dia para essa viagem acaba por ser 7 dias para este percurso.

O que aconselho, partindo de Lisboa, será que quem queira e possa tire apenas a tarde de sexta de "féria" e apanhe o autocarro para Chaves de forma a começar a viagem no Sábado seguinte e assim fazer a viagem em 8 a 9 dias a rolar, de Sábado a Domingo.

Desta forma poderão fazer a viagem de forma mais vagarosa e apreciando os cantos e recantos do interior de Portugal, fazendo até distâncias mais curtas para quem não esteja em tão boa forma física.

E assim apenas necessitar de 5 dias e meio úteis de folga do trabalho.

3. Transportes

Lisboa > Chaves : Autocarro

Nós fomos os 3 de Lisboa para Chaves pela Rede de Expressos.

Recentemente a Rede Expressos passou a cobrar pelo transporte de bicicletas (e outros equipamentos desportivos como pranchas de Surf) e eu acho isso muito bem!

Antes ficava um pouco ao critério do motoristas e de haver muita ou pouca bagagem normal se a bicicleta podia ou não embarcar no dito autocarro. Agora assim é um custo de um serviço pelo que tem meessssmo de levar a bicicleta como bagagem. O custo do bilhete da bicicleta são apenas 5€!

Convém comprar com antecedência para garantir o lugar para a bicicleta...


"Quero fazer uma viagem com a Rede Expressos/Renex e tenho uma bicicleta para transportar. Posso viajar?
Sim, pode. O transporte de bicicletas ou pranchas de surf implica um acréscimo no preço do bilhete de 5 euros. Apenas é permitido o transporte mediante a compra prévia, exclusivamente online, mediante o pagamento da referida taxa. Dada a limitação de espaço, é permitido um total de quatro unidades, entre bicicletas e pranchas de surf, por veículo. Estas devem estar em condições de viajar sem provocar danos nas restantes bagagens ou volumes, sendo obrigatório desmontar a roda da frente, colocando-a sobre o quadro e estando o respetivo conjunto embalado numa caixa ou bolsa preparada para o transporte. Se não houver espaço para mais bicicletas no horário escolhido, a célula de seleção de viagem com bicicleta não estará disponível. Depois de adquirir o bilhete, o passageiro deve apresentar-se para embarque, com a sua bicicleta/prancha de surf, com uma antecedência mínima de 15 minutos antes da saída. Outras bagagens especiais: serão aplicáveis os mesmos preços e condições a todos aqueles equipamentos e acessórios de desporto e/ou lazer equiparáveis, similares aos descritos anteriormente e que, pelas suas dimensões e/ou características, devam ser transportados no porão do autocarro. Estas bagagens devem estar em condições de viajar sem provocar danos nas restantes bagagens ou volumes, sendo obrigatório o respetivo embalamento para o transporte."

https://www.rede-expressos.pt/faq

Faro > Lisboa : Comboio Intercidades

No nosso último dia de viagem a rolar chegámos a Faro com alguma pressa para ainda conseguirmos o regresso no Domingo, pois como país civilizado temos muito poucos comboios a ligar pontos relevantes do país.

Os comboios intercidades permitem o transporte de bicicletas, sem desmontar nem embalar, num máximo de duas por cada carruagem, o que num dia como domingo estávamos apreensivos se iriamos ou não conseguir embarcar. Felizmente chegámos a tempo e horas à estação e lá comprámos as passagens para o regresso a Lisboa. Não se paga para transportar a bicicleta, mas é preciso na compra do bilhete indicar que se pretende levar uma bicicleta para reservar o espaço da mesma.


"O transporte de bicicletas é gratuito.

Comboios Intercidades das Linhas do Norte (Lisboa – Porto / Guimarães / Braga / Viana do Castelo), Beira Alta, Beira Baixa, Alentejo (Lisboa Oriente / Évora) e Sul

As carruagens de 2ª classe destes comboios Intercidades possuem suportes específicos para o transporte de bicicletas tradicionais, permitindo o transporte de 2 bicicletas por carruagem.

Condições particulares:

  • Apenas é permitido o transporte de uma bicicleta tradicional por passageiro;
  • O peso da bicicleta deve ser igual ou inferior a 15 kg;
  • O transporte de bicicletas está condicionado à disponibilidade dos lugares destinados a esse efeito - lugares 15 e 17 das carruagens de 2.ª classe nos comboios Intercidades da Linha do Norte (Lisboa-Porto/Guimarães/Braga/Viana do Castelo) e lugares 12 e 18 das carruagens de 2ª classe nos comboios das Linhas da Beira Alta, Beira Baixa, Alentejo (Lisboa Oriente/Évora) e Sul. No caso destes lugares já não se encontrarem disponíveis, apenas é possível transportar bicicletas se as mesmas se encontrarem dobradas ou desmontadas e acondicionadas no espaço disponível para bagagem, não sendo admitida mais do que uma bicicleta por passageiro.
  • Os suportes existentes nas carruagens não possuem cadeados."
https://www.cp.pt/passageiros/pt/informacao-cliente/informacao-util/transporte-bicicletas


4. Alojamento

Acampar versus Hóteis/Pensões/Alojamento Local

Desde o início que este grupo de jovens quarentões decidiu que não se queriam sujeitar a essas delícias e maravilhas do campismo, há quem goste e nada contra, mas não queriamos levar toda essa parafernália a pesar na bicicleta e gastar tempo a montar e desmontar a tenda todos os dias.
#CicloturismoEmHotéis era o mote... Traveling light :)

Marcações e reservas

Nesta aventura, à excepção do alojamento em Chaves que previamente reservamos online pelo Booking, todos os remanescentes alojamentos foram sendo marcados no próprio dia à medida que nos iamos aproximando da localidade que consoante o nosso ritmo definíamos como objetivo de meta.

Obviamente dado o tempo limitado que tinhamos para a travessia sabiamos mais ou menos quais seriam as etapas e os destinos diários, mas fomos ajustando os mesmos e assim sem termos os alojamentos previamente marcados estavamos mais libertos dessa obrigação de rolar para lá chegar.

Portanto o conselho que deixo é terem um macro-plano de intenções de etapas diárias e fazerem em andamento as reservas dos alojamentos quando se aproximam o suficiente para decidir a meta do dia.

Nós reservamos quase tudo via app móvel do Booking, excepto o alojamento no parque de campismo de Castro Verde que fizémos por chamada telefónica.

Hotel + Alojamento Local + Parque de Campismo

Em Chaves ficámos num pequeno e antigo hotel num quarto triplo e com pequeno-almoço, cada um pagou nem chegou a 13€... :)

Nos restantes dias fomos pernoitando em alojamento local, e pagámos entre os 50€ e os 80€, o que a dividir por três acaba por não ser nenhum exagero.

A última noite foi nos bungalows do parque de campismo de Castro Verde que são basicamente casas, não sei porque lhes chamam bungalows.

Apenas no alojamento local em Góis as bicicletas não pernoitaram connosco e ficaram numa garagem, de resto vieram sempre connosco para as casas/quartos.

Calhou pelo menos uma vez a cada um dormir na sala, sendo que eu fui o último no parque de campismo e a cama era enorme - azar, não tenho culpa de ter calhado uma boa cama na sala no último alojamento :)

Todos nós ressonávamos, pelo que dica importante: levar tampões para os ouvidos! Deu-me muito jeito...

5. Refeições

Felizmente no nosso grupinho ninguém era esquisitinho com a comida o que nos permitiu mais uma vez repartirmos as refeições principais de almoço e de jantar, diminuindo assim os custos. Como muitas vezes no interior as doses são generosas pediamos quase sempre apenas dois pratos e chegava bem para os três.

Apenas os pequenos-almoços e as refeições ligeiras que iamos consumindo ao longo do caminho eram pagas em separado pois nem todos comiamos o mesmo. Também parámos várias vezes em supermercados e afins para comprar frutas, barrinhas e líquidos.

Muitas vezes enchiamos as nossas garrafas de água em torneiras de cafés e restaurantes, infelizmente não conseguimos encher nas fontes e fontanários pois estavam quase todos secos. Recordo no entanto que bebemos sofregamente em Vila de Rei, numa das poucas fontes que encontrámos, e que jorrava uma água deliciosa ao travo.

Portugal é tem um manacial gastronómico fenomenal, os Italianos e Franceses tem a fama toda mas a nossa comida típica e regional é algo de agradar aos deuses. Deliciámo-nos opiparamente de Norte a Sul. E constatámos que os preços aumentam à medida que se desce por Portugal a baixo.

Fomos bastante constantes nas bebidas... ao almoço era sempre vinho branco, que escorrega como refresco, e à noite era tinto para dormirmos ainda melhor.

Comemos os pratos regionais e os do dia, dividindo as despesas as refeições completas oscilaram entre os 6€ (!!!) e os +-18€. E comemos como Abades! Como Reis! Como Imperadores!

(razão pela qual ao fim de tanto km e caloria queimada acabei quase com o mesmo peso com que comecei a travessia da EN2)

6. Trajeto

A EN2 é sem dúvida uma atração turística que está sub-aproveitada... diria mesmo que está muito mal aproveitada.

Está mal divulgada, apesar do push pré-eleições do atual primeiro-ministro que falou e promoveu a EN2 como foco turístico esta deveria ter muito mais foco.

Tem má sinalização, mesmo má, em Vila Real quase que entrávamos numa auto-estrada pois tem uma placa com fundo branco a apontar para a mesma entrada da auto-estrada. Há muitos troços interiores com pouca ou nenhuma sinalização, obrigando-nos várias vezes a recorrer a mapas e aos telemóveis.

Tem pouco apoio e informação, e até um suposto passaporte com os tais carimbos para validar as passagens é desmotivante (nós nem nos preocupamos com isso, as fotos e videos são prova mais que suficiente), com os locais fechados ou até não assinalados, uma série de bandeiras sobre a EN2 mas com um grafismo que mal se nota a quem passa.

Portanto o meu conselho é estudar previamente o mapa e os pontos de maior dificuldade já identificados por muitos outros peregrinos.

Uma das coisas que fizémos, e que se pudesse voltar atrás não faria, foi fazer o antigo trajeto da EN2 pela IP3 durante ali uns 4 kms... basicamente é proibido e até mais ou menos perigoso apesar de ter uma berma considerável, mas os energúmenos de carro e camiões que ali ao lado passavam faziam questão de apitar e fazer razias como que a fazer-nos pagar pela ousadia de ali circular. Neste troço depois de Santa Comba Dão tem de se fazer uns kms numa estrada alternativa que não é a EN2, é o meu conselho a quem um dia fizer o trajeto... que se lixe o traçado original, em 738 kms não são um pouco de kms que tiram o mérito!

Há muitas zonas do trajeto que são idilicas, outras nem por isso. Muitas são sossegadas e seguras, outras nem por isso. Muitas tem berma larga e bom piso, outras nem por isso.

No fim de todo trajeto o sentimento de vitória, de realização, de felicidade acaba por minimizar estes troços menos agradáveis, mas... há zonas que não é para "pessoas sensíveis". E muito menos para famílias, com crianças mais pequenas.


7. Bagagem

Esta foi a minha primeira experiência em cicloturismo e até pensava que ia demasiado leve... mas afinal até levei foram coisas a mais.

Primeiro estando nós em Portugal e não num qualquer local inóspito há sempre comércio que nos acuda quando precisamos de algo, como por exemplo protetor solar que me esqueci e depois comprei.

Levei roupa a mais que não usei, e quiça me faltou uma camisola mais quentinha.
A meio da viagem comprei mais uma tshirt, pois se durante o dia ia secando a roupa que lavava de véspera - os boxers, meias e camisola e calções almofadados, já tshirt para usar depois da viagem à noite não dava para lavar...

Levei boxers e meias que não usei pois como ia lavando e secavam facilmente com o vento ou no estendal ao sol nas paragens para almoço.

Dependendo da estação que escolherem para a viagem aconselho irem o mais leve possível.

Lista do que eu levei:
- bolsa de higiene pessoal;
- boxers e meias para X dias / 2 - ir lavando e secando;
- camisola e calção - eu levei 2 conjuntos de ciclismo leves que ia lavando alternadamente;
- calças para usar de manhã cedo quando está fresquinho, e à noite para ir jantar fora;
- camisola/casaco para usar de manhã cedo quando está fresquinha e à noite;
- capacete, dado que ia atingir velocidades e locais que não conhecia;
- chapéu, eu usei debaixo do capacete;
- óculos: escuros e outros transparentes;
- 2 conjuntos de luzes traseira e dianteira;
- impermeável: andei a carregar a semana toda e só usei quando saí do comboio em Lisboa e chovia copiosamente, safou-me nos ultimos 20 minutos da viagem!
- carregador USB com três saídas;
- cabos USB Mini e USB-C;
- dois pares de sapatilhas, umas calçadas na pedalada e outras para a noite - ms facilmente se pode levar apenas um par;
- Telemóvel;
- Relógio;
- phones: usei duas vezes na viagem mas não é algo que me agrade, ir de phones na estrada, mas dá jeito para as viagens de autocarro e comboio!

Coisas que levei mas não usei, ou podia ter abdicado:
- power bank : não usei mas convêm ter;
- chinelos : levei e só usei nos alojamentos, mas podia não ter levado;
- calções de banho : levei mas não usei;
- toalha : levei e não usei;
- coluna de som USB : não usei;
- cabos elásticos;

Não levei mas devia ter levado:
- luvas, pois de manhã estava mesmo muito frio!


...


Não é uma aventura fácil mas também não é impossível!
É uma epopeia pessoal! Só é preciso decidir ir e... ir!

Boa viagem e boas pedaladas!



Post retirado do blog da viagem na EN2: https://estradan2.blogspot.com/

A picture is worth a thousand words...

Tuesday, November 19, 2019

In this case some picture of my first thousand kilometers on my #Gestrudes!





































 

BiciCultura

Visite o Planeta BiciCultura

Visitas

Pesquisa

mais lidas

Tags